Dotô, que epidemia de gripe é essa que está acontecendo na China?

images

            É uma epidemia causada pelo vírus Influenza A H7N9, um novo vírus Influenza que surgiu no leste da China durante fevereiro e março de 2013 e espera-se que apareçam novos casos.

            Sempre é preocupante quando aparecem novas mortes ocasionadas pelo vírus Influenza em qualquer parte do mundo. Mais preocupante ainda é quando o novo subtipo do vírus que está causando essas mortes aparece na China e na Ásia. Desde o século passado, vários surtos de Influenza foram noticiados, geralmente pelo contato das pessoas com animais como porcos e galinhas, que podem hospedar esses vírus e passar para os humanos. O que geralmente ocorre é que na Ásia (em particular na China) há muitos tratadores de galinhas e de porcos que vivem em contato direto com esses animais, sem nenhuma higiene e sem nenhum cuidado e esses animais são vendidos diretamente para pessoas que os utilizarão como alimento. Ao se infectarem, tanto os tratadores, quanto os compradores ficam doentes e não notificam sua enfermidade para as autoridades de sua região (só quando a doença chega no estágio de tratamento hospitalar). Nesse meio tempo, a doença se espalha pela região e o número de casos aumenta, dificultando a contagem dos casos e, com isso, dificultando o tratamento dos possíveis doentes e a prevenção de novos casos.

            No caso da epidemia de H7N9, 82 casos foram notificados às autoridades da China, com 17 mortos, ou seja, quase uma  em cada cinco pessoas infectadas pelo vírus vieram à óbito. Os sintomas encontrados nas pessoas doentes variou desde uma pneumonia de progressão rápida, falha respiratória e síndrome do estresse respiratório agudo, todos altamente relacionados às infecções respiratórias graves. O mais alarmante é que uma boa parte dos pacientes que se infectaram pelo vírus e ainda estão vivos, estão com sintomas graves da doença, o que pode aumentar a quantidade de mortes pelo vírus. Outro fator importante é a quantidade de pessoas infectadas que não devem ter notificado a doença para as autoridades responsáveis. A região onde foram notificados os casos possui poucos recursos, o que dificulta a ação das autoridades para diminuir o numero de casos.

            Ao se depararem com o aumento dos casos da gripe H7N9, as autoridades e cientistas ficaram preocupados com o fato de que essa doença poderia vir a ser uma nova epidemia com possibilidade de se estender pelo mundo todo, como a epidemia de Influenza H1N1 foi em 2011. Mas, até o momento a epidemia se mantém limitada ao território Chinês.

Saber como ocorre a transmissão da doença é um fator importante para avaliar seus métodos de prevenção. Para isso, pesquisadores investigaram o contato de indivíduos infectados pelo vírus com animais que poderiam ser os responsáveis pela transmissão do Influenza. Dos 82 indivíduos infectados pelo vírus, 59 (77%) tiveram exposição recentes à animais, sendo que  45  (76%) dos indivíduos tiveram exposição à galinhas, 12 (20%) à patos e quatro (7%) à porcos. Preocupados com a alta taxa de contato com galinhas, um outro grupo de pesquisadores chineses decidiu investigar se o contato com esses animais seria a causa da epidemia de H7N9. Para isso, coletaram amostras de pacientes que entraram em contato com galinhas do mercado de animais local e de galinhas comercializadas por esses mesmos locais. Como eles esperavam, as amostras dos pacientes continham um isolado viral do H7N9 bastante similar aos das amostras das penosas. Além disso, os pesquisadores chegaram à conclusão de que esse vírus estava altamente associado com a gravidade dos sintomas, como a pneumonia severa, e que o vírus H7N9 pode ser considerado o terceiro subtipo do vírus Influenza transmitido de galinhas para humanos, documentado, que pode causar óbito. O primeiro e mais importante desses vírus é o subtipo H5N1 (chamado de gripe aviária) que causou 58,3% de mortes em 1997 em Hong Kong e 62% de mortes em 2007 à 2008 em países na Ásia como o Vietnã, Tailândia e Cambodja.

O aumento do número de casos vem sendo observado com muito cuidado pelas autoridades Chinesas e mundiais. O medo de que essa epidemia de H7N9 se alastre pelo mundo e se torne uma pandemia é bastante grande. Por enquanto, não se sabe como ocorre a transmissão de humanos para humanos ou se a transmissão não é tão importante como a transmissão de galinhas para humanos. O mais preocupante são os sintomas que são rápidos e graves e a taxa de mortalidade que, por enquanto, beira os 21%. O Dotô está preocupado com mais outra epidemia de Influenza e ficará de plantão esperando novidades para trazer para nossos pacientes.

Falando de Influenza, o Dotô lembra que devemos tomar as seguintes medidas para não transmitirmos a doença para outros amiguinhos:

• Lavar (higienizar), com frequência, as mãos;

• Usar lenço descartável para higiene nasal;

• Encobrir o nariz e a boca quando espirrar ou tossir;

• Evitar tocar mucosas de olhos, nariz e boca;

• Higienizar (lavar) as mãos após tossir ou espirrar;

• Evitar aglomerações em locais fechados.

GLOSSÁRIO:

Epidemia: Alastramento de uma doença infecto contagiosa por um curto período de tempo em uma localidade.

Hemaglutinina: Proteína da superfície do vírus responsável pela ligação e penetração do vírus na célula hospedeira do trato respiratório. Existem cerca de 16 subtipos de hemaglutinina já descritos infectando os seres vivos. É o H do nome do vírus, indo de H1 à H16.

Influenza A: Principal subtipo de vírus da gripe que infecta humanos, responsável por epidemias e pandemias.

Influenza A H1N1: Subtipo do vírus de Influenza A que causou a gripe espanhola de 1918, levando à morte 50-100 milhões de pessoas no mundo todo. Uma nova variante do vírus H1N1 substituiu o vírus antigo, causando a pandemia de 2009, também chamada de gripe suína.

Influenza A H5N1 – Subtipo de Influenza A que causou a chamada gripe aviária, com seu inicio em 1997 na Ásia, tendo reaparecido em 2004 na Ásia, levando à 49 mortos.

Neuraminidase: Proteína da superfície do vírus responsável pela disseminação do vírus no hospedeiro. Existem 9 subtipos de neuraminidade descritos infectando seres vivos. É o N do nome do vírus, indo de N1 à N9

Pandemia: Alastramento de uma doença infecciosa a nível global, atingindo grandes proporções e se espalhando pelos continentes, podendo se apresentar com um elevado risco de mortes.

Anúncios