O Dotô está com Raaaaaaaaaaiiiivaa!!!!

raiva

Tomado por essa onda de filmes e séries apocalípticas, onde a humanidade sucumbe aos mortos vivos (zumbis), o Dotô decidiu investigar na virologia de onde poderia vir tanta inspiração?! E sim, meu querido paciente, nós temos um vírus bem conhecido pela humanidade, com características bem semelhantes aos possíveis responsáveis pelas pandemias zumbis que surgem por ai: o vírus da Raiva.

Por que o vírus da Raiva, Dotô? O que ele tem de parecido com um possível vírus “Zumbi”?

A primeira característica semelhante entre os dois é a forma de transmissão. O vírus da raiva é transmitido para o homem através do contato com a saliva de animais infectados, podendo ocorrer por arranhões ou mordidas, porém a transmissão também pode ocorrer através do contato de mucosas íntegras ou tecido lesionado com secreções contaminadas. O ferimento causado pela mordida de um animal raivoso resulta na deposição de saliva infectada com vírus no interior dos músculos e tecidos próximos, servindo de porta de entrada para a infecção.

O inicio dos sintomas da infecção pelo vírus da raiva também são bem parecidos com os primeiros sintomas de um possível vírus zumbi, sendo: vômito, febre, anorexia, diarreia, fotofobia e dores no corpo. Após esse período, o paciente infectado pelo vírus da raiva desenvolve um quadro neurológico agudo e progressivo com agitação, desorientação, alucinação, rigidez da nuca, aerofobia, espasmos de faringe, arritmias cardíacas e respiratórias, entre outras manifestações, que mostram o comprometimento do sistema nervoso central (SNC). A hidrofobia é um sintoma característico, não sendo encontrado em nenhuma outra infecção do SNC, contudo nem todos os indivíduos infectados desenvolvem esse sintoma. Os doentes que sobrevivem à fase de excitação aguda evoluem para um quadro paralítico, caracterizado por paralisia progressiva ascendente, apatia, coma e morte.

Assim como os “vírus zumbis”, o vírus da Raiva tem 100% de letalidade, ou seja, todas as pessoas que adquirem a infecção chegam ao desfecho da doença. No caso da raiva o desfecho é a morte, já no caso dos “vírus zumbis”. é um acordar para uma “vida após a morte”, onde o zumbi mantém apenas suas características primitivas, como locomoção e busca por alimento. Existem registrados menos de 10 casos de cura da raiva, sendo uma registrada aqui no Brasil. A cura da raiva segue um protocolo experimental e não evita que o paciente recuperado esteja livre das sequelas provenientes da infecção.

Mas Dotô?! Será que o vírus da Raiva pode causar uma pandemia zumbi???

      Calma …não é bem assim… A raiva é uma zoonose, ou seja, tem o envolvimento de animais (cães, gatos, morcegos, macacos, etc ..) no ciclo de transmissão do vírus.  E assim a transmissão pessoa-pessoa ainda não foi descrita, apesar de se acreditar que um paciente raivoso possa transmitir raiva para outra pessoa através da mordedura. Além disso, a raiva, apesar de não ter tratamento, tem profilaxia. Existem vacinas e soros para o tratamento pré e pós-exposição ao vírus.

      O Dotô lembra que a raiva, apesar de esquecida, ainda é uma doença de grande importância mundial. 50.000 casos de raiva são registrados no mundo, sendo que a população mais atingida, cerca de 40%, são crianças com menos de 15 anos de idade. A fonte mais comum de infecção é a mordida por cães raivosos. Ainda hoje no mundo o cão é a principal fonte de infecção pelo vírus da raiva, com exceção da América do Sul, onde os morcegos são a principal fonte dos casos de raiva. No Brasil, casos humanos de raiva já foram notificados em 22 estados, a maioria ocorrendo nas regiões Norte e Nordeste do país. Desde 2004 a principal fonte de infecção passou a ser o morcego, seguido pelo cão. Os indivíduos mais atingidos são adultos jovens entre 20 e 29 anos do sexo masculino. Então, fiquem alerta e procurem um médico caso sofram um acidente envolvendo animais silvestres ou domésticos que vocês não tenham conhecimento de terem sido vacinados contra raiva.

      E você meu paciente, que curte esse tipo de filme, pode apreciar a “atuação” do vírus da raiva em diferentes filmes como: 28 dias depois (28 Days Later), Cujo, Eu bebo seu sangue ( I Drink Your Blood), Quarentena ou REC, Rage, Extermínio 1 e 2 e mais recentemente o filme Guerra Mundial Z (World War Z), ainda em cartaz nos cinemas.

GLOSSÁRIO:

Aerofobia: é o medo de estar ao ar livre ou exposto a correntes de ar.

Hidrofobia: Medo de água, que pode acontecer devido a uma alteração psiquiátrica, ou, no caso da raiva, devido à infecção viral.

Pandemia: Quando uma doença infecciosa atinge níveis globais, estando presente em mais de um continente, podendo atingir o mundo inteiro. Um exemplo de uma infecção viral recente que atingiu níveis pandêmicos foi causada pelo vírus Influenza H1N1 em 2009, que conseguiu atingir a fase de alerta máximo de pandemias definida pela Organização Mundial de Saúde.

Anúncios